João Doria: 'Caminho é do diálogo para ampliar forças democráticas e ter uma candidatura coletiva pelo Brasil'

Segundo Almoço-Debate LIDE da Série Presidenciáveis recebeu o pré-candidato pelo PSDB, João Doria. Expositor foi sabatinado por cerca de 200 empresários em um hotel de São Paulo. 

99e3285a-d80c-4d04-8282-f07dbddf1a9dPré-candidato à presidência da República, João Doria (PSDB). (Foto: Fredy Uehara/LIDE)
 
O pré-candidato à presidência da República, João Doria (PSDB), afirmou que é preciso ampliar o diálogo para que o centro democrático consolide uma candidatura coletiva pelo Brasil. A fala ocorreu durante Almoço-Debate LIDE, realizado em São Paulo, nesta segunda-feira (11). Trata-se do segundo evento da Série Presidenciáveis, cujo tema central é "Caminhos para o Brasil". Encontro reuniu mais de 200 grandes empresários e foi transmitido ao vivo. 
“O caminho é pelo diálogo, ampliando as forças do centro democrático, com uma candidatura única, coletiva, pelo Brasil. Esse é o esforço pelo qual estou trabalhando para romper a polarização. Vamos vivenciar a mais breve e intensa campanha eleitoral. Queremos oferecer ao Brasil uma alternativa democrática e segura.”

João Doria deixou o governo de São Paulo em 2 de abril para tornar-se pré-candidato à presidência pelo PSDB. O vice-governador, Rodrigo Garcia (PSDB), assumiu a chefia do Executivo no Estado. Doria venceu, em primeiro turno, as prévias do partido para disputar o pleito nacional em novembro de 2021, ao receber 53,99% dos votos.
"Preferi seguir o que aprendi no setor privado. Alguns pontos importantes para o debate: a economia, um bom projeto econômico. O PIB de SP cresceu cinco vezes mais do que o brasileiro. Não teremos um ‘posto Ipiranga’, como esse que faliu, fechou. Teremos uma equipe econômica. Gosto de trabalhar em equipe, respeitando as decisões do time. Prezamos pelo crescimento econômico, visto nas reformas que fizemos aqui em SP.”
50f08c65-af6c-4fc9-af94-fe1fe27621f9
João Doria conversa com Joel Fonseca, economia e colunista, mediador do evento. (Foto: Fredy Uehara/LIDE)
 
Ainda durante o evento, João Doria afirmou que mantém a proposta econômica de governo liberal social. “Defendo que os pobres possam se tornar ricos através do trabalho, do empreendedorismo. Segundo pesquisas, mais de 40% da população brasileira não confia nem em Lula, nem em Bolsonaro. Queremos mostrar que é possível, sim, termos um Brasil que cresça respeitando os mais humildes.”
“O Brasil é hoje um párea na questão ambiental. Estamos entre os três piores países nesse quesito. O Brasil só errou. Mas é possível retomar esse caminho da sustentabilidade junto com o setor privado, que dá os melhores exemplos, cumprindo protocolos independentemente dos governos.”
5a4dba52-ab96-420e-96e2-534e4cab3761
Evento reuniu 200 empresários, em São Paulo. (Foto: Fredy Uehara/LIDE)
 
Para o chairman do LIDE, Luiz Fernando Furlan, a Série Presidenciáveis, promovida pelo Grupo de Líderes Empresariais, é a maior oportunidade do setor produtivo para apresentar demandas ao setor público, justamente com aqueles que pretendem comandar o país. "Esse é o nosso papel: estabelecer conexões para encontrar caminhos para o diálogo". 
 
O Almoço-Debate LIDE tem patrocínio de Amil, Braspress, Comolatti, Grape ESG, Grupo Carrefour Brasil, Mapfre, Paper Excelllence, RV IMóla e Verzani & Sandrini. Os fornecedores oficiais são Atmo, Dr Joe, Dunelli, Eccaplan, MGITech, Mistral. O evento tem suporte da FGV EAESP. 
 
9150a91f-0869-4fa9-8199-45acb9bba04e
Furlan, João Doria Neto (diretor-executivo do Grupo Doria) e Celia Pompeia (vice-presidente executiva do Grupo Doria). (Foto: Fredy Uehara/LIDE)

Primeiro encontro da série 

O primeiro Almoço-Debate LIDE da série Presidenciáveis foi pautado pelo combate à corrução e pelo fim da polarização política. O evento aconteceu em 18 de fevereiro, também em São Paulo, com a presença de Sergio Moro (Podemos), Simone Tebet (MDB) e Felipe d’Avila (NOVO), então todos pré-candidatos à presidência da República em 2022.
 
O peso da atual polarização política no país foi pauta dos três presidenciáveis. Outro ponto em comum foi a rejeição aos políticos populistas e à radicalização, sendo o voto consciente a única forma de rompimento com o atual momento. Todos os pré-candidatos foram convidados para participar da série, cujas edições são mensais.

70e900a8-2344-4246-81c1-1a1ff6674079Joel Fonseca, Sergio Moro (União Brasil), Simone Tebet (MDB) e Felipe d’Avila (NOVO). (Foto: Gustavo Rampini/LIDE)